sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

As 10 Melhores Graphic Novels de todos os tempos!

AKIRA (1982)

Katsuhiro Otomo

Japão, 2200 páginas


A HQ mais simbólica da onda Cyberpunk e a maior responsável pela invasão do estilo Mangá no ocidente. Uma apocalíptica história da caída de Neo Tokyo pelas mãos de um garoto mutante de poderes mentais assombrosos e da resistência de uma gang de jovens motociclistas delinqüentes. Akira figura na lista dos “Dez Mais” de qualquer um.



BATMAN ANO UM (1987)

Frank Miller
David Mazzuchelli

USA, 144 páginas


Durante os anos 80 e 90 surgiram inúmeras Graphic Novel sobre o Batman, todas tentando dar-lhe um ar mais sofisticado, buscando oxigenar uma franquia já bem repetitiva e gasta, apostando em um novo público, mais adulto. E, de repente, surge “Ano Um”. Quer chamar uma HQ de obra de arte? Comece por esta! Muito mais importante que “Cavaleiro das Trevas” ou “Piada Mortal”, Frank Miller insufla uma história contada dezenas de vezes com uma atmosfera de Film Noir e arrebata a todos utilizando os desenhos de Mazzuchelli, de inconfundível traço europeu. Não deveria existir algo tão bom feito por uma editora tão comercial como a DC, mas

existe. “Ano Um” não podia ficar sem uma resposta a altura da Marvel, para isso, contaram uma linda história de um encontro inusitado em uma convenção entre Stan Lee e Moebius... teve gente que acreditou nessa. O que interessa é que eles produziram “Parábola” (1989), uma excelente Graphic Novel. Só que “Ano Um” é insuperável.



A TRILOGIA NIKOPOL (1980-1993)
Enki Bilal

França, 144 páginas


A obra mais a

mbiciosa do Iugoslavo Enki Bilal está compreendida em três álbuns que possuem um fio condutor, a história de Nikopol, um viajante do tempo que enfrenta antigas divindades egípcias em um futuro onde o mundo foi dominado por sistemas tota

litaristas. Hoje em dia seria muito difícil alguém que tenha contato com essa obra pela primeira vez, apreciá-la profundamente, fora do contexto em que foi produzida durante a guerra fria. Mesmo assim, pra quem passou dos trinta, é imprescindível. Pra quem não chegou aos trinta, desencane da HQ e veja o filme.



AS JÓIAS DE

CASTAFIORE (1963)

Hergé
Belgica, 62 páginas


Tintim viajou pra lua, adquiriu um fabuloso tesouro e conheceu o Tibet. Que mais poderia se inventar pra ele fazer sem repetir uma fórmula batida? Em “As Jóias de Castafiore” os protagonistas nem fazem lá tanta coisa, é mais uma grande comédia de erros absolutamente bem planejada, uma crítica mordaz e bem humorada dos clichês das histórias de suspense do estilo “Agatha Cristie”. Isso só foi possível porque Hergé havia atingido sua maturidade artística.Impecável. Depois ele voltou a repetir-se porque afinal de contas dinheiro é legal e todo mundo quer.



LOBO SOLITÁRIO (1976)
Kozure Okami
Kazuo Koike
Goseki Kojima

Japão, 8700 páginas


Uma história emblemática dos anos 60 que possui rias adaptações cinematográficas, uma narração da vida do samurai Itto Ogami e seu filho Daigoro, vivendo pela espada até conseguirem vingar a morte da família injustamente destruída. A mais importante, extensa e emocionante história já criada no Japão em HQ.



MAUS (1994)
Art Spiegelman
USA, 296 páginas


Novela autobiográfica em que Spiegelman conta a história de seus pais em Auschwitz, só que pelo universo estético criado por ele, onde Judeus são ratos e os Nazistas gatos. Uma reflexão sobre o holocausto e suas conseqüências totalmente desprovida de maniqueísmos e falsas denúncias. É a única HQ a ganhar um prêmio Pulitzer. Aliás, devido a esse fato, “Maus” entra na lista, expulsando da seleção “Incal” de Jodorowsky e Moebius.



RANXEROX (1983)

Stefano Tamburini
Tanino Liberatore
Itália, 98 páginas


Um tipo de Frankstein pós-moderno, RanXerox, construído a partir de peças de uma máquina fotocopiadora da marca Xerox (que rendeu um belo processo e fez o nome do personagem encurtar para “Ranx”) significou para muitos o lado obscuro dos tempos de Ronald Reagan, um andróide niilista que tinha um relacionamento sexual instável com uma prostituta pré-adolescente chamada Lubna, vivendo as mais caóticas aventuras em um estilo New Wave, com tudo muito politicamente incorreto (drogas, sexo, estupros, nu frontal masculino, violência injustificada, etc.) mesmo nos dias mais “liberais” de hoje. A imagem de Ranx esmagando a mão de uma pequena menina mendiga vendedora de rosas é antológica na história das HQ´s. Ranxerox trouxe o anti-heroísmo ao extremo e influenciou os americanos da Marvel a tentarem criar um anti-herói. Eles bem que tentaram, utilizando um personagem de terceira classe de uma história esquecida do Hulk para personificar o primeiro bad-boy anti-herói dos grandes quadrinhos comerciais americanos... Seu nome? “Wolverine”. Pancadaria do início ao fim. Absolutamente imperdível.



O MERCENÁRIO (1982-2003)
Vicente S
egrelles
Espanha


São 13 álbuns de 1982 a 2003. Todos são bons. Achou em um sebo? Compre tudo.

“O Mercenário” é o ápice da Fantasy Art. Cidades fantásticas, combates, dragões, força e leveza num universo original. Todos os quadrinhos são pinturas a óleo, e, entre seus destacados fãs encontrava-se nada menos que Frederico Fellini. HQ é arte? Sim, é. Veja o trabalho de Segrelles e entenda por que.



VIDA EM OUTRO PLANETA (1979)

Will Eisner
USA, 120 páginas


Em ritmo e clima de filme de suspense, Eisner, pai do termo Graphic Novel (na verdade foi ele que popularizou o termo mas não o criou), utiliza sabiamente todas as características de seu traço caricatural para dar vida a esta emocionante tragicomédia de uma farsa geopolítica. Nesta obra ele não tem a pretensão de compreender e explicar o gênero humano como fez muitas vezes, ele simplesmente deixa de lado a rasa filosofia e resolve mostrar porque é um dos maiores mestres das HQ´s de todos o tempos.




WATCHMEN (1995)

Alan Moore
Dave Gibbons
Inglaterra, 413 páginas


A única Graphic Novel que consegue trabalhar de maneira prodigiosa todo um universo de super-heróis, humaniza esses personagens ao extremo, tornando-os limitados. Mesmo com super-poderes são incapazes de mudar um destino trágico. Uma história amarga e inteligente, que exige profundidade do leitor. Coisa rara no meio. Talvez a melhor Graphic Novel de todas.




Uma Lista nada fácil de executar e que, espero, seja bem polêmica!

8 comentários:

Silvio disse...

ai ai, essa lista...
primeiro vamso definir, o que é uma graphic novel...
akira é uma série, uma revista mensal, não é uma graphic novel.
watchmen é uma mini série, lobo solitário, é uma maxi série e assim por diante...

as outras a maioria são conhecidas, algumas, velhas amigas a surpresa ficou pra nikopol...vou procurar.

boa iniciativa mas essa lista sei não....

Valéria Fialho disse...

ai ... esses nerds puristas ...
eu nem sabia que existiam todas estas nuances classificatórias ... que ignorânica a minha ...

pra mim é tudo quadrinhos ... hehehe ... o que eu gosto mesmo é de curtir os desenhos !

mas só pra não passar em branco vou dar minha opinião "leiga":
- akira só assisti o filme (gostei) mas eu sei que os nerds vão clamar : injúria !
- batman ano 1 : clássico. no momento estou lendo "o longo dia das bruxas" instigada por aquele post do nohair ( felipe)
- enki bilal eu acho ducaralho ! li por recomendação do Tonhão e gostei muito ( viu silvião uma que vocÊ não conhece ... hahaha)
- maus é muito, muito boa ...
- watchmen dispensa comentários ... inclusive o mesmo Tonhão que me indicou o Enki Bilal tem um artigo sobre a série ( vou ver se consigo descolar
- as outras não conheço

não sei em que categoria se inserem, mas eu gosto bastante do sandman ( que comecei a ler por indicação do Beto Gozzo), e das coisas do Alan Moore ( entre elas Constantine e Lost Girls )
...
bem , por enquanto é só ...
mais algum especialista por aí ?

Felipe Telles disse...

Pois é... eu curto um pouco mais os quadrinhos de heróis, mas fico um pouco decepcionado com os atuais. Me parece que os bons roteiros morreram, em prol do "comercial".. Maldito seja Liefield e seus anos 90.. Mas estou me surpreendendo com Morrison na sua atual fase na DC com Sete Soldados e Crise, e Geoff Johns está mandando muito bem também.

Vamos a análise da lista:
- Akira eu acho tão interessante quanto louco. É uma obra de arte, sem dúvida.
- Ano Um... Ahh Ano Um.. Isso é uma história do Morcego. Assim como A Piada Mortal e Longo Dia.
- Watchmen é uma hq foda. Uma visão de um mundo de heróis que foi infinitamente copiada. Eu to louco xiita para ver o filme, mas tenho um certo receio que gere uma febre igual ao 300, e vire "pop". Vai ter muita gente que nunca leu uma hq se dizendo PHD em Watchmen..
- Eu quero fazer uma resenha de Sandman. Quero muito. E vou. Só que vai ser longa ahaha.

Alexandre Grazzini disse...

Polêmicas! Polêmicas!

O que é uma Graphic Novel?

Conforme diz a Wikipedia:

"O termo é geralmente usado para referir-se a qualquer forma de quadrinho ou mangá de longa duração, ou seja, é o análogo na arte sequencial a uma prosa ou romance. Pode ser aplicado a trabalhos que foram publicados anteriormente em quadrinhos periódicos, ou a trabalhos produzidos especificamente para publicação em formato livro.
...
Outros trabalhos similares que antecederam o surgimento do termo foram os quadrinhos franco-belgas Tintin, Asterix e Spirou, bastante populares desde a década de 60."

Silvio, Akira,Lobo Solitário e Watchmen não são séries, séries são "Guerras Secretas" ou "Crise nas Infinitas Terras". Terem sido publicados em formato de série não é motivo para enquadra-las por aí, imagina publicar Lobo Solitário em um volume só? hehehe

Respeito a sua definição mas não posso concordar...pelo menos ainda não!

hehehe

Marcinho disse...

Nossa, mega-nerds! hehe...
Faltou a Turma da Mônica!!
Em qual a categoria seria classificada? :)

Betão Fialho disse...

Bom , para mim era tudo gibi, mas não vou me manifestar senão os nerds vão ficar nervosos.
hehe

Alexandre Grazzini disse...

Definição de "GIBI" = Palavra apócrifa que manifesta a onda de eventos apocalípticos conhecida como FÚRIA NERD!

Betão Fialho disse...

Pôxa, tudo isso pode definir o Cebolinha?