sexta-feira, 12 de junho de 2009

Toy Art, artistas, vertentes e algo sobre esse universo - POST_01 - Michael Lau

Resolvi iniciar uma série de posts sobre o movimento Urban Vinyl, toy art,designer toys, entre outras nomeclaturas que este movimento crescente engloba.

Recentemente li num blog que a toy art seria algo que hoje jé é visto como batido, na verdade o termo empregado era "soooo last season", e realmente, a publicidade, os meios de divulgação de promoções de redes de shoppings e fast food, e outras pessoas que adotaram a toy art como um meio de marketing distorceram o que de fato é, e isso tem uma interpretação errada por diversas vezes.

Mas, por outro lado, existem artistas e colecionadores que de fato levam o movimento a sério, apesar do modismo, e não estou aqui para levantar a bandeira, mas sim, divulgar o porque do meu interesse em tal universo. Interesse que, de certa forma é pessoal, pois esses posts me ajudarão a dar um rumo para a pesquisa do meu trabalho de conclusão de curso.
Inicialmente, abordarei o trabalho de Michael Lau, um dos precursores da custom art que originou o movimento, lembrando que este post está sujeito a alterações e retratações de possíveis erros referentes as fontes das quais estarei adquirindo as informações, mas como é uma pesquisa, estará sujeita a análise, comentários e inclusões de informações pertinentes a quem mais possa interessar, aliás, sintam-se a vontade para criticar, opinar e incluir informações por meio dos comentários.


Tomei como fonte inicial a Wikipedia, que sabemos que não é totalmente confiável e um site especifico sobre toy art que citarei no final do post.
Voltaremos agora para o ano de 1998, Hong Kong, qunado o até então desconhecido artista Michael Lau, leva para uma feira de brinquedos tradicional, bonecos GI Joe, ou Falcom, remodelados e personalizados, com roupagem do universo hip-hop, empregando elementos urbanos às vestes dos personagens, como correntes, logotipos, tecidos e sneakers que remetiam a marcas famosas tidas como "hype*".

O sucesso foi imediato pois algo assim era completamente novo, Michael Lau customizou 101 figuras, que nos dias de hoje, tem o valor de verdadeiras obras de arte, e o artista, ganhou instantaneamente o status de mito, como nome ligado à origem do movimento, ao lado de James Jarvis, Eric So, Bounty Hunter, Brothersfree, Jason Siu, Tim Tsui, Jakuan, Furi Furi, Kaws e outros dos quais estarei falando ao longo dos posts. O Big Bang de 1998 reverberou no mundo todo, mas nem toda figura em 3D é necessariamente um toy art.

Para os não-iniciados, é um absurdo pagar R$1.000,00 por um coelho rosa, sendo que ele pode comprar um patinho de borracha por R$5,00. Ambos podem ser bem feitos e legais. Mas qual a diferença? A principal diferença que designa o movimento: a visão do artista.
O patinho será feito por um artista desconhecido (na maioria das vezes, trabalhando de acordo com o mercado e limitações técnicas), para uma multinacional enorme e será produzido aos milhões, enquanto o coelho rosa será feito por um artista urbano, pertencente a um crescente movimento da "lowbrow art*", KAWS, com série limitada a 500 unidades, que costumam se esgotar no dia do lançamento, devido aos colecionadores que fazem fila numa das lojas exclusivas "original fake" e com uma visão única de um coelho no qual emprega elementos que dialogam com sua arte.
A baixa produção e a discontinuidade das séries asseguram a raridade e o colecionismo. Mas o que pode-se classificar como uma legítima peça da toy art é a novidade.
Um toy art tem de ser diferente de tudo que você viu até hoje, características e design únicos, e ser altamente desejável.
O que difere um designer toy de um brinquedo normal são suas origens. Muitos dos criadores que adotam o toy como plataforma artística são ilustradores, grafiteiros, designers gráficos, artesãos, etc. Não são pintores ou escultores acadêmicos, o que também nao é uma hipótese descartada, devido a abrangência e precocidade do movimento.
Essa é a natureza da toy art: transformar algo comum como um brinquedo, em algo que possa passar uma mensagem, que pode ser política, underground, subversiva, erótica, trágica, meiga ... ( Baseado nos textos de Jeremyville e Ivan Vartanian, extraido do site banana suicida: bananasuicida.com.br)
Alguns termos:
*Lowbrow art: Como tudo precisa de uma designação, "pop surrealism", "urban folk", "outsider art" ou lowbrow art, são termos que definem um movimento underground de arte urbana que teve seu surgimento em Los Angeles - Califórnia, na década de 70, a lowbrow é um amplo movimento, com origens no mundo dos quadrinhos underground, universo punk, dos hot-rods e cultura de rua, entre outras subculturas. Além disso, é muitas vezes conhecida pelo nome de surrealismo pop. A lowbrow art por muitas vezes, tem um senso de humor, por vezes o humor é alegre, em outras, inquieto e traz nele também um comentário sarcástico.
A maioria das obras de lowbrow art são pinturas, serigrafias, mas também existem brinquedos, arte digital e esculturas. O termo é o oposto de highbrow art, que seria a arte aceita por grandes galerias, mas hoje, os universos se misturam e os termos se reinventam.
*Hype: Promoção extrema de uma pessoa idéia ou produto. Excessiva publicidade em torno de uma idéia, pessoa ou produto. Seria algo que "dá o que falar" ou algo que todo mundo fala e comenta. Geralmente é algo passageiro, as vezes duradouro, seria algo como o assunto da moda no momento. A palavra deriva de hyperbole, ou seja, uma figura de linguagem que representam exagero de algo ou uma estratégia para enfatizar alguma coisa. A palavra já mostra variações como "hipster" cuja definição bem humorada está no link:

A seguir, alguns trabalhos de Michael Lau, incluindo sua última criação recém saida do forno:


Parceria de Michael Lau com a Nike. Roger Federer, Ronaldinho Gaúcho e Kobe Bryant.


Parceria com a Mindstyle, homenagem a Stanley Kubrick: MINDStyle x Michael Lau SK3

O toy Godfather figure de Michael Lau, é o primeiro produto da parceria da MINDstyle’s licensiada pela Paramount e marca o inicio da companhia Art Toy Collectibles (ATC) e sua linha. Aqui podemos ver a figura finalizada HK vinyl pioneer’s Original edition (com marionette) do iconográfico poderoso chefão.










2 comentários:

Marina disse...

Great honey!!! keep posting!
besos

Valéria Fialho disse...

muito bom o post luporini ! super informativo e ótimo para quem quer ser introduzido neste universo !
mas agora a pergunta que naõ quer calar : caramba, quando é que sai este TCC ?
estou curiosíssima para ver o SEU toy !